Tatuagem no exército: é permitido?

Hoje vamos falar de um tema delicado, mas salientar dúvidas.

O tema é a tatuagem na carreira militar. É permitido? Então vamos falar dela.

Sabemos que a tatuagem é uma marca que fica para sempre em nosso corpo. Por isso, antes de escolher fazer uma, tenha certeza se ela não vai atrapalhar a sua carreira profissional, por exemplo.

Infelizmente, ainda existem profissões na qual a tatuagem não é bem vinda.

Na carreira militar não pode ser impedimento, mas é sempre bom ter um certo cuidado com o que vai tatuar.

O dispositivo permite que militares tenha “tatuagens discretas”, conforme decreto.

O que precisa cuidar?

Então cuide com o que você vai tatuar.

  • Tatuagens extremistas . De acordo com os regulamentos, essas são tatuagens ou marcas “afiliadas, representando ou simbolizando filosofias, organizações ou atividades extremistas”. Isso inclui tatuagens que: apresentam filosofias, grupos ou atividades que promovem intolerância racial ou de gênero ; incentivar a discriminação com base em inúmeros fatores, incluindo raça, gênero e religião; advogar a violência ou “outros meios ilegais de privar direitos individuais.
  • Tatuagens indecentes. Isso inclui tatuagens ou marcas que são “totalmente ofensivas à modéstia, decência, propriedade ou profissionalismo”. Os regulamentos do Exército não fornecem exemplos de tatuagens que se enquadram nessas descrições.
  • Tatuagens sexistas. Isso inclui tatuagens e marcas que “defendem uma filosofia que degrada ou humilha uma pessoa com base no gênero”, de acordo com os regulamentos.
  • Tatuagens racistas. Tatuagens ou marcas que “defendam uma filosofia que degrada ou humilha uma pessoa com base em raça, etnia ou origem nacional” não são permitidas.

Deixe uma resposta